São verificações que o motorista deve fazer no veículo, antes de sair, para evitar quebras inesperadas no percurso, diminuindo assim a possibilidade de ter uma falha que venha a ocasionar acidentes, atrasos, sinistros, manutenções caras, perda de credibilidade e danos a outros componentes.

São inúmeros itens previamente elencados numa lista, e o motorista vai conferindo se estão em bom estado ou não. Certos itens podem ser reparados numa manutenção programada (manutenção preventiva e preditiva), outros, relacionados a segurança, impedem que o motorista saia com o veículo, e devem ser reparados de imediato, sob risco de acidentes (ex. freio, direção, pneu dianteiro ou qualquer outro item que coloque a vida em risco). Geralmente, os itens são separados em três níveis de criticidade.

Falhas em trajeto podem causar acidentes e os custos de manutenção são elevados: deslocamento de mecânicos, maior tempo do mecânico para reparo, por ter que considerar o tempo de trajeto, dificuldades de ferramental, guincho, risco de sinistros, atrasos na entrega da mercadoria, perda de credibilidade e imagem da empresa.

 

Fonte: Manoel Carvalho Filho

Profº Técnico Fabet/SP

 

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Fechar Menu